quinta-feira, 9 de abril de 2009

Aquele abraço...


Ah, sinto falta dos amigos com os quais compartilhei do mesmo tempo e espaço, em algum período da vida... Hoje, o rio deságua em diferente braço de mar.
Pois saiba, destino, que sua conspiração para arrancá-los de minha história, falhou amargamente. Antes que colocasse seu plano em ação, capturei a imagem, a voz, o jeito de ser de cada um deles. Ao invés de trancafiar estas raridades no baú escuro e triste da saudade, libertei-as para que eternizem os bons momentos. Assim não se perdem junto com minhas memórias caducas.
Hoje, teríamos muito mais o que conversar e confidências para compartilhar, pois não rimos o bastante e nem choramos todas as lágrimas possíveis. Enfim, estes amigos serão para sempre. Caso nossas vidas novamente se intersectem (esta é minha teimosa esperança), retomaremos nossos pontos de afetos e desafetos, que são vários! Porque os bons amigos se atritam e se irritam também; e como fazem isso bem... Depois que baixa a poeira, estes episódios tensos costumam gerar boas risadas. E mais amizade.
Se eu pudesse fazer algo do tipo, reuniria meus amigos de todas as minhas épocas; personagens das histórias incansavelmente narradas para meus amigos atuais. Estes amigos também não quero perder. Por outro lado, o que há para se fazer, não é? Como confiná-los dentro das minhas fronteiras e proibi-los de continuar seu caminho independente do meu? Seria egoísmo demais. E o mundo está superlotado de excêntricos que tomam atitudes das mais esquisitas, muitas vezes, chegando a sufocar as amizades verdadeiras por conta de tolices. Não posso, não quero, não devo. Um dos charmes da amizade é saber dividir a conversa, o sorriso, a presença, a história, o amigo com outros amigos que não fazem parte do nosso pequeno grande universo.
Outro charme é saber como resgatar as lembranças. São bem mais prazerosas quando guardadas a fresco, sem o cheiro decadente de naftalina; quem sabe, catalogá-las em ordem cronológica ajude nesta agradável tarefa. Mas elas devem emergir aleatoriamente, de acordo com as diretrizes traçadas pelo coração. Como é bom reconstruir os momentos que ficaram registrados no arquivo vivo do cérebro! Não é possível que as lembranças fiquem contidas em apenas um hemisfério da massa cinzenta; é muito material para pouco espaço. Por certo também é esta uma das funções vitais do coração: acomodar os amigos guardados no peito.
A esta altura, admito que esteja sendo um tanto injusta; não são todos os amigos que a vida afana do nosso convívio. Alguns continuam ao alcance do nosso olhar; vivem uma história em comum com a nossa por longos anos. Ainda bem que existem os amigos inatos (que não escolhemos); presentes generosos da vida - que afinal não é tão velhaca assim-. A família faz parte deste núcleo de amizade inerente à gente. Nela estão os amigos que crescem conosco; que partilham dos nossos sucessos e fracassos. São os amigos que acompanham fielmente os capítulos da nossa trama pessoal, quase sempre fazendo parte dela. Pena que nem todos encontrem cumplicidade no ambiente familiar, porque este “querer bem” faz grande diferença nos relacionamentos que surgem a seguir.
Pode ser que a vida consiga afastar os melhores amigos, mas não pode apagar as marcas deixadas por uma amizade. É como se cada amigo deixasse suas digitais impressas em nós; não sei bem por que, mas esta alusão me fez lembrar toda aquela baboseira hollywoodiana de gravar as mãos das celebridades na calçada da fama. Pois bem, digamos que cada ser humano seja dono de uma calçada da fama particular, onde os amigos deixam gravadas suas palavras, seus valores, suas atitudes; ao invés do contorno grosseiro da palma da mão. Interessante que estamos habituados a procurar amigos cuja fôrma se encaixe direitinho no molde deixado pelo amigo antigo. Os seres humanos vivem a tona com suas manias bobas; quantos amigos nem chegaram a existir porque não encontramos neles o perfil da nossa patota? Não foram poucos.
Meus melhores amigos são bastante diferentes de mim. Não acredito na amizade entre pessoas muito semelhantes em temperamento, manias, gostos. Está certo que as convergências acabam superando as divergências; caso contrário a tal da afinidade iria para o espaço. Contudo, assim como no casamento, deve haver complementação. Aproveito a deixa para falar sobre o meu melhor amigo, que é diferente de mim em vários aspectos- em todos eles o julgo maravilhoso- principalmente naquilo que tem pouco de mim. Aliás, nosso primeiro encontro nasceu de uma amizade que a partir de então cresceu exponencialmente. Depois de outros tantos encontros, já não se tratava apenas de uma amizade- caímos em terras perigosas- sim, nos apaixonamos e nos amamos no decorrer destes dez anos.
Até mesmo o nome dos amigos soa diferente aos nossos ouvidos. Exibem uma expressão singular, inconfundível às milhares de pessoas que transitam pelas ruas da vida. Incrível como nossos amigos nos são familiares. Por esses amigos de ontem e hoje, dediquei a tarde para confabular um pouco sobre o cultivo das amizades, seja por meio das lembranças ou do dia-a-dia que nunca termina. Dedico esta declaração de amizade àqueles com quem mantenho um vínculo simbiótico, apesar dos pesares; porque os atributos tempo e espaço sempre contribuem para sabotar amizades.
Afinal, quando são genuínas, sobrevivem ilesas a estes percalços; ainda que após alguns anos se resumam a um álbum de recordações que a gente folheia com carinho, enquanto aprecia uma xícara de capuccino.
Amigos, considerem-se abraçados...

Um comentário:

Ju disse...

Pri,
adorei este texto... concordo com td o que vc escreveu.
copiei pra colocar no meu space.
Bjus e saudades..
Que Deus continue te usando!!
Juliane